Foto/Photo: Raimundo Mesquita

O nome
Cyrtopodium saintlegerianum Rchb. F. i nov. ser. Gardn. Chron. 23:756. 1885.

Sinonímia: C. punctatum Hoehne (ex Ldl).
                       C. punctatum var. saintlegerianum hort.

Etimologia: de Cyrtos = arqueado e Podium = pé, Saintlegerianum em homenagem ao pesquisador Saint Léger.
O gênero
Cyrtopodium R. Br. Ait. Hort. Kew. Ed. 2, 5:216. 1823.

"Cyrtopodiums estão entre as orquídeas predominantemente brasileiras que florescem no terceiro trimestre do ano. De fato, quase todas as espécies desse gênero, quase que exclusivamente brasileiro, florescem nesta época.
Entre as espécies mais robustas e ornamentais, temos Cyrtopodium saintlegerianum, que, com suas grandes flores amarelas e marrons, colore os cerrados da região central do Brasil, que, nesta época, apresentam as árvores sem folhas. Esta espécie é uma das poucas epífitas no gênero." (Orquidário, volume 2, no. 3, jul/set. 1988, 4a. capa).
Ocorrência e hábito vegetativo
Centro-oeste brasileiro, como epífita, sobre palmeiras, às vezes no tronco, outras vezes na bainha das palmas.
Produz grandes bulbos, de mais de 60 cm, recobertos por bainhas firmemente aderidas, com 6 e, por vezes, mais folhas.
Cultivo
O Cyrtopodium saintlegerianum deve ser cultivado buscando-se reproduzir, no mais possível, as condições predominantes no cerrado brasileiro, de onde ele é originário: vasos de pouca profundidade (ou fundo de drenagem ocupando 2/3 do vaso), com substrato bastante poroso e não compactado.
Luz Pode ser cultivado em pleno sol, havendo boa ventilação e circulação de ar.
Temperatura mais adequada Dias quentes, acima de 30 º no verão e abaixo de 20 º no período seco de inverno, com boa queda de temperatura à noite.
Umidade e rega Está adaptado às condições do cerrado, com um longo período seco que antecede a época de floração. A rega é a normal, com duas ou três por semana, sal entre julho e setembro quando deve ser reduzida para uma vez por semana.
Fertilização e tratos culturais
Fertilizantes com NPK igual, com adições periódicas de cálcio e magnésio (como no Cal-Mag Peters). Aceita bem a combinação de torta de mamona, farinha de ostra e cinza de madeira.
Flor e floração
Inflorescência apical, mais vezes com hastes secundárias. Produz centenas de flores quando bem florido, com um belo espetáculo visual.
Pequenas referências de consulta e leitura
- F. C. Hoehne, ed., Flora Brasilica, Vol. XII, VI - Instituto de Botânica de São   Paulo, 1942, pags. 8   ss.
- Maria Cristina Miranda, Orquidário, vol. 2, no. 4, 68;
- Lou Menezes, Orquídeas do Planalto Central Brasileiro, Ed. IBAMA, 2004,   pags.   125 ss.
- CD Orquídeas do Brasil – Gênero Cyrtopodium – 4D Multimídia. Conc. e   prod.   Edna Francischetti Piza, Conteúdo Lou Menezes.
- CD Flora Brasileira – Orquídeas – Marcos Antonio Campacci – 2000.
- Brazilian Orchids (www.delfinadearaujo.com) – Orchids News 19 -   “Ecossistemas, Habitats e as   orquídeas brasileiras”.

   Variedades de flor
Foto/Photo: Marco Antônio Campacci
Foto/Photo: Marco Antônio Campacci


   Prancha de F. C. Hoehne, ed. Flora Brasilica, Vol. XII, VI - Instituto de Botânica de    São     Paulo, 1942.
    Geral e detalhe com o Cyrtopodium saintlegerianum





Foto/Photo: Raimundo Mesquita
O Cyrtopodium saintlegerianum é decíduo. A foto mostra este fato e dá uma indicação de cultivo.
Note-se que já sobressaem do vaso as raízes secundárias, que tem um papel importante por formar como que um ninho que recolhe poeira, detritos, insetos mortos, que irão se transformar em adubo.


Foto/Photo: Raimundo Mesquita


Expressamente proibido qualquer tipo de uso, de qualquer material deste site (texto, fotos, imagens, lay-out e outros), sem a expressa autorização de seus autores. Qualquer solicitação ou informação pelo e-mail orchids@pobox.com