Restrepia citrina





Restrepia antennifera



Nome
O nome é homenagem a José E. Restrepo, que foi quem primeiro se dedicou à história natural dos Andes colombianos.
O gênero
Descrita em 1815 por Humboldt, Bonpland & Kunst integra o grupo das Pleurothallidinae.
Quase sempre epífitas e, às vezes, litófitas.
Espécies
Até agora são conhecidas aproximadamente 50 espécies nesse gênero.
Distribuição geográfica.
Distribuem-se do sul do México até o norte da Argentina, sendo encontradas nas florestas, altas e úmidas, dos níveis mais altos dos Andes.
Polinização
Por moscas.
Cultivo
Restrépias vão muito bem nas chamadas estufas frias (mantidas nas montanhas, a pelo menos 800 m de altitude) ou resfriadas artificialmente.
Sombreamento de 50%. Bom indício de cultivo e estado adequado da planta é o avermelhado no dorso das folhas (veja as fotos).
Aspecto vegetativo
Plantas baixas, de nunca mais de 15 cm de altura, que entouceiram com grande facilidade, se cultivadas adequadamente.
Outras condições de cultivo
Aceitam vários substratos: musgo, xaxim, fibra de coco e, até mesmo, podem ser montadas em placas ou palitos de xaxim ou pequenos troncos, com a condição de não terem nunca as raizes secas.

Pragas e
doenças

Pragas que ataquem Restrepia são praticamente inexistentes no Brasil. Doenças são, também, praticamente inexistentes, pois, como quase todas Pleurothallidinae, são muito resistentes. Via de regra o que afeta a planta é cultivo inadequado.
Flor
Restrepias não têm tempo certo para florir. As flores brotam, geralmente em sucessão, de pedicelos que surgem na base do dorso da folha e é comum repetir-se a floração nas folhas antigas e não apenas nas novas.
Hibridação
São muito poucos os híbridos registrados de Restrepia. São 5:
Rstp. Coup d’Etat, Eleana, Matthew Howe, Frank Feysa e Tattoo.
Referência bibliográfica

Carlyle A. Luer, Systematics of the Pleurothallidinae (Orchidaceae).

Além disso nos sites de busca da internet há muita informação, inclusive na Wikipedia, a enciclopédia da internet.

 


Restrepia antennifera
Restrepia antennifera gigantea


Restrepia dodsonii


Restrepia condorensis

Hábito vegetativo da Restrepia antennifera


Fotos e texto: Raimundo Mesquita. Proibida a reprodução sem autorização do autor