Foto/Photo: W. Dobson
Forma bronzeada tipo.
Foto: W. Dobson
 

O nome e sinônimos
Cattleya velutina: do lat. vulgar villutu, 'veludo', + -ina] Adj. Bot. Revestida de pêlos curtos, densos e macios, que dão ao tato a sensação propiciada pelo veludo; aveludado (def. extraída do Dicionário Aurélio Eletrônico).
Sinônimos :
Cattleya alutacea B. -R. 1892
Cattleya alutacea B.-R. var velutina B.-R. 1882
Cattleya fragrans B.-R. 1882
Cattleya velutina Rchb. f. 1870 subgen. aclandia Withner 1989
Cattleya vestalis Hoffmannsegg 1843
Cattleya violacea [Lindley] Beer ex Rolfe 1854.
O gênero
Cattleya
Habitat e ocorrência
Espírito Santo nas regiões onde tem habitat a C. schofieldiana, embora já se encontre praticamente extinta na natureza.
Forma vegetativa
Planta epífita de porte médio, preferindo temperatura mediana, de fria para quente, epífita que vegeta nas planícies em moitas arbustivas que as protegem do sol direto. Com pseudobulbos, quase em forma de canas, longos e próximos que produzem 2 flores apicais, coriáceas, folhas obtusas.
Luz
Intensa, mas sem sol direto, entre 10 h, da manhã, e 16 h, da tarde.
Temperatura mais adequada

No habitat, com média de 25o durante o dia e frio à noite.
Umidade
Umidade relativa elevada.
Rega
Em vasos, duas a três vezes por semana, dependendo do nível de temperatura. Sempre pela manhã. No inverno, uma vez por semana.
Fertilização e tratos culturais

Os mesmos já indicados nestes apontamentos para a maioria das Cattleyas brasileiras.
Substratos e vasos
Os mesmos já indicados para Cattleya.
Flor e floração
A floração, no habitat, se estende de dezembro a março, mas em cultivo ocorre mais intensamente em março. No mínimo duas flores, por bulbo florífero. Flores, muito perfumadas de substância cerosa e aveludada, com cerca de 10 cm e que integram o grupo das Cattleyas bronzeadas brasileiras, com pétalas e sépalas bronze com pintas marrons, com o lobo central do labelo com estrias rosa forte e garganta amarelo ovo e lobos laterais brancos. O labelo envolve a coluna.
Embora seja planta muito bonita e extremamente decorativa, não é muito cultivada no Brasil.
Pragas e doenças
As mesmas que atacam as cattleyas: cochonilas, larva mineira, pulgões, tentecoris, etc.
Híbridos
Não tem sido muito usada na formação de híbrido, possuindo cerca de 60, na primeira geração. Foi cruzada com quase todas as catléias brasileiras, sendo o mais conhecido a C. Frasquita (C. velutina x C. bicolor).

Gravura de Walter Hood Fitch, do
Curtis Botanical Magazine 1838 - 1904






Cattleya Frasquita (C.bicolor x C. velutina).
Foto Etelvino Rodrigues

Forma marron.
Foto R. Mesquita
Cultivo Ladislaw Zaslaswski